Prefeito interino de Brejetuba lamenta exoneração em massa de funcionários

                                                                                Texto Kennedy Lenk/Foto: Divulgação

O município de Brejetuba na região serrana do Estado, passa por uma crise política que já atinge a população. O prefeito eleito João do Carmo (PV) foi denunciado na Câmara Municipal por um morador da cidade. A denúncia fala de irregularidades cometidas em sua gestão, e por ter atirado contra um ônibus que furou o bloqueio durante uma greve em maio de 2018.

 A denúncia foi acatada e uma comissão da Câmara decidiu pelo Impeachment com placar apertado, 5×4. João deixou o cargo na quarta-feira (22) e o Vice-prefeito Samuel Quirino assumiu a cadeira. Quem esperava harmonia não foi isso que viu. Após assumir a cadeira executiva, Samuel teve que assinar inúmeros pedidos de exoneração e responder a críticas.

Em entrevista ao repórter Kennedy Lenk da Mais FM na tarde desta quarta-feira (29), Samuel disse que esperava algumas baixas, mas não da forma que ocorreu. Afirmou que os exonerados não respeitaram os munícipes quando decidiram por apoiar ao João do Carmo e não à sociedade. Disse ainda que é dever dos funcionários servir com dignidade ao município.

Durante a entrevista Samuel relatou que precisa se manter calmo para tomar as decisões corretas. “Quando os funcionários pediram exoneração me veio a seguinte pergunta: eles realmente pensam na comunidade como um todo? Quem ocupa um cargo público deve servir com dignidade a população independente de quem seja o gestor. Não participei de decisões da câmara com relação ao impedimento de João do Carmo. Agora preciso agir com calma e dar continuidade aos trabalhos,” ponderou Samuel.