Máfia: Essa foi uma das palavras utilizadas por prefeito para criticar ações da Polícia Militar

Texto: Kennedy Lenk/Foto: Divulgação

No início da última semana, um áudio viralizou em Laranja da Terra e Afonso Cláudio, municípios da região Serrana do Estado. No conteúdo, um prefeito está respondendo à uma pessoa, questionando as ações de blitz no município laranjense.

De acordo com a Polícia Militar, a voz é de Josafá Storch, prefeito de Laranja da Terra. No conteúdo, ele diz que vai interferir nos trabalhos dos Policiais do 2º Pelotão, comandados pela Major Marineth Félix, comandante da 2ª Cia Independente. O prefeito afirma em áudio, que criaram uma máfia do guincho, e que alguém provavelmente está ganhando algo com isto.

Disse ainda, que as blitz ocorrem apenas nos municípios de responsabilidade da 2ª Cia. Ele indicou Afonso Cláudio, Laranja da Terra, Venda Nova do Imigrante, Brejetuba e Conceição do Castelo. O aúdio, que foi gravado para responder a um morador, o prefeito chega a dizer que alguém está levando vantagem no negócio e que o serviço de guincho virou uma máfia. Ele segue dizendo que já conversou com um deputado para intervir junto ao governo estadual para acabar com  o que ele chamou de “farra”.

Na última quinta-feira (8), a Associação de Cabos e Soldados  da Polícia Militar e Bombeiro Militar do Espírito Santo (ACSPMBM-ES), publicou uma nota de repúdio, onde apresenta altíssimos números de infrações de trânsito. A nota esclarece também, que Afonso Cláudio aparece entre as 10 cidades do estado com maior índice de acidentes em vias municipais, com vítimas fatais no local. A nota pergunta ao prefeito: “No impedimento de fazerem cumprir as leis de trânsito na região sudoeste serrana, se ele se responsabiliza por eventuais mortes dessa natureza em seu município?”

Uma empresária de Laranja da Terra relatou que motoqueiros, adolescentes e adultos, fazem manobras perigosas nas ruas e nas pistas, colocando a própria vida e de outras pessoas em risco. “O que Josafá disse, não representa o pensamento do povo, pode ter uma ou outra pessoa contra as blitz. Mas a verdade é que tivemos muitos acidentes que poderiam ter sido evitados”. disse a moradora que preferiu não se identificar.

Clique no link abaixo e veja a nota de repúdio na íntegra:

https://acspmbmes.com.br/nota-de-repudio-3/

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *