Palmeiras vence em jogo polêmico e pressiona Flamengo, que joga hoje contra Botafogo

Texto: Kennedy Lenk/Foto: Lancepress

A vitória do Palmeiras contra o Vasco na noite de ontem (07), deixou os flamenguistas preocupados e ansiosos para o jogo de hoje contra o Botafogo. Cinco pontos separa o Mengão do time paulista, que na vitória de ontem, segundo comentaristas esportivos, teve uma ajudinha do árbitro de campo e do VAR. Os lances reclamados foram expulsão de seu defensor Castan, o gol do palmeirense Luiz Adriano, e um pênalti não marcado.

Assistindo pela telinha, os flamenguistas “torciam” pela vitória do Vasco, resultado que manteria o Palmeiras longe do Rubro-negro. A diretoria do Vasco vai levar sua reclamação contra o árbitro à Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Os dirigentes vascaínos deixaram o Estádio São Januário, indignados com a atuação do árbitro Rafael Traci. “Este árbitro é tendencioso”, disse o presidente Alexandre Campello.

O árbitro distribuiu muitos cartões aos vascaínos e ainda expulsou o zagueiro Leandro Castan, depois de uma discussão sobre uma nítida falta de um defensor vascaíno. Com os nervos à flor da pele e com menos um em campo, o Cruz-maltino não encontrou reação para empatar a partida. O Palmeiras foi consistente na marcação e mais agudo nos contra ataques. O resultado seria justo, não fosse a lambança do árbitro, pincipalmente na validação do gol Palmeirense.

A imagem mostrada não deixou dúvidas sobre a falta que o atacante fez antes de concluir para o fundo das redes. Depois desse lance o árbitro perdeu as rédeas do jogo e a coisa escambou. O jogo perdeu o brilho com tantas jogadas paradas e cartões distribuídos aos jogadores vascaínos. Se o árbitro foi tendencioso não se pode afirmar, mas desastroso sim. O VAR foi inútil neste jogo, já que o árbitro foi acionado, mas assumiu toda a responsabilidade das jogadas polêmicas.

Hoje, os dirigentes vascaínos vão cobrar uma explicação da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Segundo o presidente Alexandre Campello, o árbitro foi tendencioso, deu vários cartões, viu de perto a falta e validou o gol palmeirense, e não deu pênalti para o Vasco já na etapa final. Campello quer uma resposta do presidente de arbitragem. “Isso não pode ficar assim, o árbitro foi tendencioso e o futebol não merece isso”, Disse o dirigente do Vasco, que estacionou nos 39 pontos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *